Não se faz mais rímel como antigamente… E ainda bem, amore!

Hoje ele é item essencial na maquiagem. Principalmente se pensarmos que os olhos são a janela da alma.

Pois é, os inventores da máscara para cílios também pensavam assim: os olhos revelam muito sobre nós. Então, talvez seja bom deixá-los bem bonitos.

No Antigo Egito sugiram muitos dos cosméticos que até hoje fazem parte da nossa rotina de beleza: esmalte para as unhas, lápis de olho, delineador e, claro, o rímel.

Mas, se você quiser seguir o passo a passo das makes egípcias, criando sua máscara para cílios em casa, vai precisar de alguns ingredientes, digamos, diferentões.

Rímel no Antigo Egito

 

rímel surgiu no egito antigo

 

Pensa num povo criativo, em plena época dos faraós, criaram os primeiros cosméticos de que temos notícias. Mesmo assim, precisamos admitir que as primeiras máscaras para cílios eram bem tóxicas.

Feitas a partir de uma mistura de chumbo com outros ingredientes de origem vegetal ou animal, como óleos e mel, as primeira máscaras serviam para destacar os olhos e as sobrancelhas.

Os aplicadores eram de osso entalhado e marfim. Chiquérrimo, porém, provavelmente perigoso.

rímel antigo egito

Tubo cosmético Kohl antigo do oeste do Irã , datado de 800-500 AC.

rímel antigo egito

Um recipiente kohl egípcio da 18ª Dinastia com inscrição para a rainha Tiye (1410–1372 aC).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na cultura daquele povo, pintar os olhos ajudava a proteger a alma da ameaça dos maus espíritos. O hábito de se maquiar era comum tanto entre as mulheres quanto entre os homens.

E quanto mais alto o lugar ocupado pela pessoa na hierarquia social, mais maquiagem essa pessoa usava.

Recentemente, cientistas descobriram que as misturas egípicias usadas para maquiagem e cuidados com a pele do rosto (skincare raiz), tinham uma concentração baixa de chumbo, o que ajudava na proteção contra infecções.

“Normalmente, o chumbo é considerado tóxico. Mas ele pode ter efeitos positivos em concentrações muito baixas”, disse Philippe Walter, do Centro de Pesquisa e Restauração dos Museus de Paris.

A Casa do Rimmel

E o primeiro produto não tóxico para passar nos cílios

eugene rimmel criador do rímel

Foi só em 1834 que a família Rimmel, muito conhecida por suas criações magníficas na área de perfumes, criou um produto mais parecido com o que a gente conhece hoje como máscara para cílios.

No final do século XIX as mulheres começavam a se pintar, sair sozinhas na rua e ganhar certa liberdade. Nesse momento, vários dos produtos cosméticos que conhecemos hoje começam a se popularizar.

Os primeiros rímels de Londres eram vendidos em estojos de metal. Sua formulação era sólida, por isso, tinham o aspecto de uma sombra para olhos. Dentro da embalagem vinha uma escovinha para aplicar o produto. Para passar, era necessário umedecer o pincel, algo nada prático, pois nem sempre se tinha água por perto.

Veja as antigas embalagens do Rímel

 

rimmel embalagem antiga

 

Um rímel para agradar a irmãzinha

 

Em 1917, nos Estados Unidos, o químico T.L. Williams fazia algumas experimentações. Ele criava alguns produtos conforme os desejos de sua irmã, a Maybel.

maybel irmã do fundador da maybelline

A moça adorava usar maquiagem e queria muito um produto fácil de aplicar e que realçasse os olhos. Estamos falando de uma época em que a maquiagem carregada nos olhos estava prestes a se tornar uma das maiores tendências mundiais de beleza nos anos 1920.

Sim, essa moça era visionária.

Williams criou uma mistura de carvão em pó com vaselina. A irmã adorou a novidade. Eles começaram, então, a vender esse produto, começando uma empresa chamada Maybelline Company. Já ouviu falar?

 

Veja algumas embalagens  propagandas antigas da máscara para cílios da Maybelline

 

 

 

 

 

 

Mascara-Matic e a revolução dos anos 1950

Acredite ou não, mas em 1950 a máscara para cílios ainda era aplicada com aquela escovinha sem vergonha.

Se você acha frustrante borrar a pálpebra com seu pincel hoje em dia, imagina só o sofrimento da mulherada de antigamente… Mesmo que já tivesse máscaras em pasta ou em líquido no mercado, ainda não era um produto muito prático.

Mas, finalmente, uma mulher resolveu o problema de uma vez por todas! Helena Rubinstein criou, em 1957, a incrível Mascara-Matic, a primeira máscara para cílios com “aplicação automática”. A invenção foi patenteada na época e hoje virou sinônimo de máscara para cílios.

 

 

 

Essa invenção é tão maravilhosa, que segue até hoje sendo usada pela indústria cosmética, com pequenas alterações. Olha só o comercial de lançamento desse produto:

 

 

Sim, esse produto tão querido e necessário teve que percorrer um longo caminho até chegar em nossa necessaire. Olha só como ele era:

 

mascara matic de helena rubinstein 1957

 

Quem foi Helena Rubinstein?

 

 

Helena nasceu onde hoje é a Polônia. Filha de uma dona de casa com um vendedor de livros, ela começou a estudar medicina na Universidade de Cracóvia, mas abandonou os estudos por que não se deu bem com as rotinas clínicas.

Com 24 anos de idade fugiu para a Áustria e depois para a Austrália porque sua família queria obrigá-la a se casar com um viúvo de 35 anos.

Lá trabalhou como empregada doméstica, vendedora e garçonete. E foi nas casas de chá de Melbourne que ela vendeu seus primeiros cremes.

Em 1902 abriu, na mesma cidade, o primeiro salão de beleza, modelo dos estabelecimentos que a gente conhece hoje. Diva demais!

 

helena rubinstein

 

Em 1916 abre seu primeiro salão nos Estados Unidos, em Nova York. Em 1957 não apenas lançou a Mascara-Matic como também fundou o Pavilhão de Arte Contemporânea Helena Rubinstein em Tel Aviv.

Faleceu em 1965 e, dizem, trabalhou no desenvolvimento de produtos até com a saúde debilitada.

Uau, que mulher incrível!

Um viva pra Helena, arrasou demais na invenção e em toda a sua história de vida! E você, o que mais aprecia em um bom rímel?